14 de março de 2007

Ajudem-me a tornar a vida da minha vizinha num Inferno


Preciso de sugestões para tornar a vida da minha vizinha de cima um inferno. A velha é estúpida, teimosa, mal-intencionada, faz-se de santa mas fá-la pela calada. Além disso, quase não tem cabelo e é tão feia que me ofende a vista.
Já tínhamos chegado a acordo que estenderia os seus lençóis rendados de maneira a que não me tapasse as janelas. Cumpriu durante 15 dias e depois fez-se esquecida. A vingança foi queimar-lhe “acidentalmente” com o meu cigarro o lençol mais insultuoso que já vi: Uma coisa nojenta de flanela castanha já meia descorada pela lixívia. (Como é que é possível um par de velhos sujar os lençóis ao ponto de ser preciso pô-los na lixívia?!).
Bem, tenho que explicar que moro num primeiro andar com terraço e que quando a velha estende os lençóis do lado errado basta-me andar em pé para ter que me baixar se quiser passar ao outro lado do terraço.
A velha pediu-me explicações e eu cinicamente disse-lhe que não me lembrava do incidente, mas que achava normal porque se fumo no terraço e se os lençóis me tapam a passagem é natural que tivesse lá tocado o cigarro sem reparar.
Lá mordeu os lábios e percebeu a mensagem. Passou a pendurá-los (muitos lençóis lava a velha, é impressionante) do outro lado mas a festa só me durou mais uns meses.
Desde que me cansei de lhe pedir que estenda a porcaria dos lençóis do outro lado para não me tirar a luz das janelas, nem me obrigar a baixar a cabeça sempre que quero ir ao terraço, e isto já há uns três anos, passámos à fase da guerra aberta.
Pão com manteiga, terra, restos de comida, salpicos de produtos para as minhas plantinhas, e até pêlos de gato, já lá tudo foi parar em momentos de fúria.
Confesso que fui mesmo uma pessoa horrível quando fui lavar a liteira do gato e arranjei maneira daquela areia mijada lá ir parar “sem querer”, não me perguntem como.
Mas memória de velha deve ser de muito curto prazo e passados uns meses dos “alertas” lá voltava ao mesmo.
A pontaria já estava bem treinada mas entretanto descobri (porque a ouvi a falar sozinha) que, apesar de tudo, era o cheiro a tabaco nos lençóis que a chateava mesmo.
Pronto, foi o que quis ouvir. Instalei a cadeira mais confortável mesmo juntinho à porta do terraço e era aí que me sentava quando ela vinha estender os lençóis do lado errado mais uma vez. Eram momentos recompensadores, garanto.
Ao sábado depois de almoço, hora certa da velha estender a roupa, lá me sentava a acender o cigarro. Cheguei a acender vários cigarros sem os fumar só para defumar o lençol!
Tinha descoberto a fórmula certa, porque na segunda máquina de roupa (eu desconfio que a velha lava roupa para fora, não é possível!) já estendia os lençóis do lado certo.
Só que hoje, que é quarta-feira e estou de folga, abri a porta da cozinha e dei de caras com o lençol mais comprido que já vi na minha vida escorrendo água para cima da minha roseira preferida!
Como não fumo há mais de uma semana e assim pretendo continuar, acabou-se a arma da tabaqueira, o que é que eu faço agora?! Vesti-me e fui lá acima tocar-lhe à campainha.
Pedi-lhe pela cagagésima nona vez que me estendesse a roupa mais comprida do outro lado, por causa da luz, das flores no parapeito da minha janela, por causa da passagem, e disse-lhe que era um bocado cansativo ter que repetir as mesmas coisas de mês a mês.
E ela, ratazana de esgoto, disse-me só que sim senhora, que para a próxima não se havia de esquecer e fechou-me a porta na cara.
Eu percebo que uma velha que nunca sai de casa, tenha como únicas alegrias na vida ver o Você na TV no máximo volume e lavar roupa repetidamente só para me ver arreliada, o que até teria a sua piada se não se passasse comigo.
Só que eu preciso de sol nas minhas janelas e já não tenho a arma do tabaco. Ajudem-me por favor, dêem-me sugestões de como tornar a vida da minha vizinha de cima num Inferno!!!

7 comentários:

fogacho disse...

uma faca de cozinha de lâmina serrada... uma facada bem aplicada na glote, é finados na certa. faz é uma grande chafurdeira

trincadeira disse...

Só de imaginar a cena, fogacho, até me vêm as lágrimas de alegria aos olhos

touriga franca disse...

Acho que deves ir bater-lhe à porta e dizer-lhe que é a última vez que a avisas. Se ela voltar a não respeitar o teu espaço, fazes como eu vi uma vez n'O Juiz Decide (lol, programa liiindo!), e cortas-lhe o lençol com uma tesoura, à altura que te parecer adequada. Se lhe disseres isto, ela é capaz de pensar duas vezes antes de voltar a repetir a gracinha.

trincadeira disse...

Ó minha rica Touriga, vem a meus braços! É uma ideia genial. E mais genial ainda é a lembrança desse fabuloso programa. Já estava a pedir um post, esse Juíz Decide. Wait...

Palomino disse...

Tenho lá uma série de discos bons para "represálias"...e o tempo já vai estando bom para churrascos no quintal...

trincadeira disse...

Hum...defumar os lençóis com o fedor das sardinhas assadas?! És torcido, Palomino

Anónimo disse...

vocé poderia começar cortando os fios de energia da casa dela cortando todo tipo de comunicação depois mandar bilhetes dizendo o seguite "vocé esta comedo ??? isso e só o comesso hahahhaahhahhahahhaaahhahahhahha